sexta-feira, 25 de abril de 2014

Haja papéis!

Quando procuro (e invariavelmente encontro) suas meias,  camisas, telefone ou qualquer outro objeto desaparecido. Quando meço sua febre, sirvo sua comida e lhe ofereço um casaquinho. Reclamo da sua bagunça e insisto em aconselhar, mesmo fora de hora - Sou Mãe.

Quando me debruço sobre os livros e espremo meus neurônios em integrais intermináveis,  problemas insolúveis e balanços infecháveis - Sou Estudante

Quando planejo, organizo, delego,  acompanho, analiso e cumpro - Sou Profissional.

Quando me visto de bicho grilo,  me jogo no mato, atravesso mangues, montanhas e trilhas - Sou moleque.

Quando me recolho. Fico em silêncio. Choro e grito. Calo. Engulo. Digiro. Processo. Prossigo - Sou apenas eu.

Quando erro, tropeço,  caio e me levanto. Falho. Sou apenas gente.

E quando a mãe estuda e quer ser uma profissional melhor, sem deixar de ser criança? Quero abraçar o mundo. Inteiro. Bem apertado.

E por que não?


Video legal sobre a melhor profissão do mundo (e o meu papel favorito): A melhor profissão do mundo

quarta-feira, 16 de abril de 2014

CICA 2014 - Etapa Peleja

Minha gente, eu estava doida para colocar essa história no papel...Ou melhor, na rede!

Já participei de muitas corridas de aventura. Todas me trouxeram muitas alegrias e muito aprendizado. Mas, a primeira etapa do CICA-2014 conquistou um espaço especial na minha memória...

O CICA é o Circuito do Interior de Corridas de Aventura da Bahia. Organizado por atletas de diferentes equipes e dividido em 4 etapas, permite a participação de aventureiros experientes e novatos de todas as idades. Democrático e integrador, é um dos eventos mais esperados do ano para os amantes de Aventuras.

A edição deste ano teve as etapas batizadas com uns nomes bem sugestivos: Peleja, Couro de Bode, Mandacaru e Cangaço.

Hoje vou compartilhar como foi nossa PELEJA!!

41 duplas inscritas. Cidade de Tanquinho na região de Feira de Santana. Um lugar meio caatinga, meio sertão. Cheio de pessoas maravilhosas e uma natureza pra lá de exuberante.

Só pelo mapa vocês podem ver que o negócio é bruto! Estão vendo essas linhazinhas de cor marrom?? Pois é, caro leitor, são curvas de nível. Quanto mais juntinhas, mais carrasca é a subida. Quanto mais linhas, mais alto é o morro. Imagina o desespero que dá quando a pessoa sobe todas elas só para descobrir que está no morro errado....

Pois, isso aconteceu com algumas equipes, mas como essa galera é puro sangue-nozóio, a turma nem assim desistiu! Troféu persistência para todos mundo!

O que o mapa não mostra é a agrestia da vegetação. As plantas participam ativamente da corrida, seja encalacrando seus pés, seja agarrando seu corpo, seja arrancando seus cabelos ou roubando sua bandana...

Como sempre, sonhei com a corrida na véspera. No meu sonho eu não conseguia achar os equipamentos e ficava mega tensa. Cadê minha bússola? Onde estão os capacetes??? E as bikes, onde foram parar??? Felizmente, na última hora, aparecia tudo. Bússola, capacetes, luvas... bomba de encher pneu....
No mesmo sonho (ou seria premonição???) o pneu da bike do Vand furava de um jeito que ficava todo retorcido. E quando a gente tentava encher não conseguia porque o pito estava entupido! Ôh nervoso, meu Deus!! Arrrmaria... 

Quanto a navegação, só me lembro de ter ouvido alguém me dizer: "Confia no Vand"... E foi o que eu fiz...

Supersticiosa ou não, tratei de fazer meu checklist....Listei tudo o que achei importante para não esquecer. Em seguida, enfiei tudo dentro do carro daquela maneira desordenada que me é peculiar. Só no caminho, ao olhar o checklist pela última vez é que lembrei da bomba.... Aí, pensei com meus botões: "Que bobagem - sempre levo bomba e nunca uso...não vai ser hoje que o pneu da bike vai furar!"

Seguimos para Tanquinho no sábado a tarde, obedecendo fielmente o Waze, para não começar a corrida errando a navegação! Mauroba até que nos chamou para dormir na casa dele. Eu sabia que seria muito legal, mas que com certeza dormiríamos bem pouco. O conversê ia se aprofundar noite a dentro, com toda certeza!

Como já tínhamos reservado a pousada e pretendíamos ter uma longa noite silenciosa e tranquila, declinamos do convite e fomos pra pousada mesmo.... Afinal, uma caminha quente e aconchegante em um quarto fresquinho e silencioso nos esperava....

O pessoal da pousada era super atencioso. Num instante nossa caminha aconchegante ficou pronta. Fizemos um lanchinho e conversamos com eles sobre a corrida. Eles não sabiam de nada e ficaram bastante curiosos e empolgados de ter sua cidade com um evento tão importante! Fica a dica! Precisamos divulgar mais o nosso esporte! Tenho certeza de que a prova vai ser o assunto da cidade por um bom tempo.

Barriguinha cheia, vamos dormir! Mas só depois de resolver a controvérsia sobre a real necessidade de guardar as bikes no quarto. Finalmente o bom senso prevaleceu e decidimos concordar que eu tinha razão...As bikes dormem com a gente! Era isso, ou eu ia dormir do lado de fora junto com elas!  E tenho dito! (Superstição a parte, melhor não facilitar!)

Nossa longa e silenciosa noite de sono estava para começar....Ou não.....

A Pousada Bela Vista deveria se chamar "Pousada do Morro dos Ventos Uivantes" É que a danada fica do lado de um morro e por alguma razão sobrenatural, o vento fazia curva bem debaixo da nossa janela....Foi uma longa noite... de uivos, pessoas conversando, portas batendo e alarmes de carro tocando....
                                                        pen..pen..pen..pen....
Estranho...parecia o nosso carro...
pen..pen..pen..pen....

Amor.... O alarme do carro tá tocando.....- Vai dormir, neguinha! Não é o nosso carro!....
                                                        pen..pen..pen..pen....

Amor, continua tocando...Vou lá ver....- Tsc...Já falei que não é o nosso carro. É lá na rua, não tá vendo?.....vamos dormir que estou cansado...
pen..pen..pen..pen....

Tá bom, então vou  lá fora só dar uma olhadinha...... Levei as chaves escondidas no bolso e entre um "pen" e outro resolvi silenciar o alarme....

Magicamente, o ruído parou....

- Achou o carro que estava com o alarme disparado?

Não...Mas apertei esse botãozinho aqui e o barulho parou....Deve ter sido coincidência! E voltei para a cama guardando a risada só pra mim.... (Dica do dia: Nunca teime com um alemão....Eles não são teimosos. Teimoso é você que teima com ele!)

Harmonia restaurada, vamos dormir. Sei lá se o morro continuou ou não uivando. Depois de certa hora, não ouvi mais nada. Dormi feito uma pedra.

O dia amanheceu com uma serraçãozinha que logo se dissipou. Ainda na pousada, tratamos de bater aquele café da manhã com tudo dentro: Pão com requeijão, café com leite, salada de frutas, cuscuz e ovo frito. Só para descobrir depois que a organização estava dando o café de graça....Enfim! Coisas de quem não lê os informativos direito!

Descansados, hidratados, alimentados e briefados...., mapa na mão devidamente marcado. Tudo ok! Vamos para a largada!

-Amor, sua bike está com um ruído estranho...tá fazendo "psi...psi"..... - Ih, Vai ver furou o pneu. Disse Vand tripudiando, sem me levar muito a sério.....Só pensei na bomba que havia deixado em casa... Preferi abandonar logo esse pensamento e curtir a prova.

Por falar em pensamento ruim....Tem uma voz na minha cabeça que sempre me diz que não vai dar....Que vou cair...Que é perigoso..Que não tenho habilidade...Que o pneu vai furar...Que não treinei o suficiente...Isso acontece com vocês também?

Enfim, dessa vez, decidi levar essa voz para passear comigo mediante um acordo de damas!

Disse eu a Maria (nome que dei a essa "amiga" imaginária) - Hoje, você vai se divertir. Você não vai sentir medo. Você não vai ficar falando coisas negativas na minha cabeça. Nós estamos aqui para brincar. Deixe as preocupações de lado e venha ser criança comigo!

E assim foi. Aos berros de BORA CAMBADA!!! Eu sai comendo trilhas com farinha. Desci cada ladeirão que nem acreditei. Cair estava fora de cogitação. Pedalei em cima de pau, pedra e o que mais aparecesse pela frente. Rolou até uma corridinha com Gabi, o que foi muito gostoso!

Ver o Vand navegar foi um prazer a parte. Que coisa linda! Ele olha pro mapa, olha em volta, joga a bússola fora e diz: - É por ali! Pode seguir que dá certo! Azimute??? Que nada..... Ele tem um GPS implantado no cérebro!

No início da prova, ainda precisamos de um tempinho para entrar no clima e entender o mapa. Mas, a dúvida durou somente o espaço entre o PC-1 e o PC-2. De lá em diante, a navegação do Vand foi certeira! Um talento natural! Meu orgulho!

Batemos os primeiros PCs quase junto com Mauro e Gabi. Um rally danado!!! Já tentaram acompanhar essa baixinha??? É uma guria retada!

Do PC-4 saímos correndo pro trekking porque ainda pretendíamos fazer o MTB-O (etapa de orientação com a bike - receberíamos outro mapa e teríamos meia hora para caçar alguns prismas antes de concluir a corrida). Para isso, precisaríamos chegar antes de 12:45 no PC-12. Tínhamos um pouco mais de duas horas para subir dois morros, pegar 4 PCs no trekking, fazer outra transição, pegar as bikes e pegar mais 4 PCs...Fichinha!!

Eu estava empolgadíssima até entrar no mato......

Ué.....Cadê a trilha???? Era para ter uma trilha aqui... Por que não tem??? Acho que estamos no lugar errado...Nós e metade dos competidores! Foi o único momento que ameacei teimar com o navegador... O mapa mostrava uma trilha bem marcada...Mas, deve ter chovido ou colocaram um fertilizante muito poderoso ali...Era uma abundância de mato, cansanção, espinhos, cactus e tudo mais o que você conseguir imaginar de diversidade biológica.. Tinha de tudo ali... Menos trilha.

Foi um rasga mato da zorra! De tanto esforço, comecei a arfar feito uma asmática e suar feito um cuscuz...Vand chegou a sugerir desistirmos, porque ficou preocupado com meu coração.... Só fiz olhar para ele com aquela cara que nós mulheres sabemos fazer quando estamos contrariadas....
Entre uma arfada e outra consegui balbuciar algo do tipo: Confie em mim e tenha paciência. Eu vou conseguir! Claro que eu dizia isso para a Maria, não para ele. Eu precisava muito me convencer disso primeiro, pois, se a auto-confiança não vier de dentro, de fora é que não vai vir!!

Daí em diante, ele só me estimulou. A cada parada para tomar fôlego (e foram muitas), ele só me dizia que faltava pouco. Está chegando. Só mais um pouquinho. As pessoas passavam por nós aos quilos... Uma, duas, dez duplas.....E a gente ficando para trás.....Vand cheio de energia e eu quase devolvendo o café da manhã...

Rezei, rezei, rezei.... Internamente, gritava comigo mesma: Bora, mulé!!! Você pode mais que isso! Anda!! Respira!

Foi bem difícil. Tive que ter muita paciência comigo mesma. Depois de me escorar em 1500 pedras, rasgar muito mato e me arranhar em muito espinho, com muita valentia, conseguimos achar a trilha. Dali, era escalar pedra.

Pensam que ficou mais fácil??? Bah! Quando vi aquelas pedronas lisas e peladas, tive medo! Vand passava nas pedras nuas em pé. - Olha amor, dá pra passar! Não cai não! Vem!!!

- Sua mãe que não cai!!! Essa porra tá escorregando! 

Só havia duas alternativas. Ou andar por cima das pedras, com risco de escorregar e descer o morro rolando, ou andar pela base da pedra, por entre os pés de cansanção.... nem preciso dizer qual foi minha opção...

Seu cansanção... Se prepare, por que vou lhe usar!!! 

Era muita pedra, gente. E cansanção a dar com o pau! O morro parecia infindável. Teve uma hora que cheguei a pensar que havíamos errado a navegação e tínhamos ido parar na Bolívia!

Graças a Deus, ainda estávamos em Tanquinho e após mais de uma hora de escalaminhada, O PC-5 apareceu magicamente diante de nós... Tcharam!!!! Devia ter tocado música naquele momento.... Tchan...tchan...tchan.....tcharam!!!! (2001 - uma Odisséia no espaço seria uma boa opção).

Ameacei desistir do PC-6, que era opcional, mas foi só ver a animação do Vand para desistir de desistir! Então vambora! Já chegamos até aqui...Não tem como piorar.....É só mais um morrinho....

Mais pedra nua, mais escalada. Era pedra de um lado e ribanceira abaixo do outro.... Nessa etapa rolou muito cuidado, muita atenção e muita solidariedade entre as equipes. Um ajudava o outro a subir. Quem estava descendo abria espaço para quem subia....Era necessário mais juízo e menos valentia naquele momento!

Quando chegamos ao topo onde estava o PC-6, encontramos Edilene e Maurão descendo. Escutei vagamente Edilene dizer que éramos a terceira dupla mista a chegar no PC....Eu tinha visto tanta gente subindo e descendo que não acreditei.... Ela deve estar enganada!

Ainda com os bofes saltando das entranhas, dei um último impulso e literalmente me joguei aos pés do fiscal do PC.... Amor - assina aí que vou descansar um pouquinho!!

Foi quando o fiscal confirmou: Parabéns, vocês são a terceira dupla mista a passar por aqui!!! Gente, eu dei um pulo e num instante esqueci que o fôlego tinha ficado lá embaixo!! Mágico esse negócio de competitividade! Dá uma injeção de ânimo danada de boa!

Descemos correndo, ladeira abaixo. Eu conseguia até conversar! Estávamos perto do pódio!! Que delícia!! Mais feliz ainda eu estava porque o próximo PC ia ter água... e Guaramix!

Achamos o PC 7 sem muita dificuldade. Me acabei no Guaramix geladinho! Como estávamos felizes! Por onde eu passava, saia gritando com todo mundo. Bora, gente!!! Tá acabando!! Metade da prova ficou pra trás! Só falta o resto! kkkkkkk

Animadíssimos, seguimos reto até a transição. Edilene veio conosco proseando... Quer dizer, ela falava, Vand respondia e eu..... economizava fôlego....Sabia que ia precisar muito ainda! Logo atrás vinha Maurão, provavelmente guardando fôlego também, porque na outra perna de bike passou por nós que nem um raio....Danado esse moço!!!

Mantivemos um bom ritmo até a transição, no PC-8, onde nossas bikes nos aguardavam ansiosamente.

Achamos Mauro e Gabi lá meio assim-assim.....meio cansados, meio chateados. Tentei dar uma injeção de ânimo nos dois, afinal, Aventureiros do Agreste não desistem nunca! Espero ter conseguido....

Pegamos as magrelas para o último trecho de bike..... A água do skeeze fervendo.... O sol lascando em banda....... Minha disposição também....

Apesar da musculatura estar respondendo bem, algo estava estranho. Comecei a passar realmente mal.... Sorte que o caminho para o PC-9 passava novamente pelo 7. Pedimos mais água e fomos em frente. Afinal, faltava tão pouco.... Em cada PC eu me jogava no chão e pedia água. Foi meio assim, digamos...vexaminoso... Mas, a vergonha na cara ficou pelo caminho entre os PCs 5 e 6 e eu não voltei para buscar.... Onde podia parar, parava..... Onde podia pedir água, pedia..... De vez em quando me dava uns calafrios esquisitos..... Será que vou morrer??? Agora não, dona morte. Só depois da chegada!

Entre o PC-10 e o 11 Vand que já estava com o pneu furado desde não sei onde começou a perceber sua bike muito pesada. Era o que faltava! Se o pneu esvaziasse seria muito difícil continuar a prova. Logo agora, tão perto do fim!!! E cadê minha bomba??????

Só tinha um jeito! Acelerar para concluir logo a prova. Dei tudo de mim... Pedalei o resto de fôlego que me sobrou. No caminho para o PC-10 uma alma bondosa acenou para mim lá de longe... da porta da sua casa.... -Ei!!! Você quer água??!!! 

Oh meu Deus, era tudo o que eu queria! Mas, cadê força para ir até lá?? Achei uma sombrinha e foi ali mesmo que me joguei. O moço entendeu que não era falta de educação...era exaustão mesmo! Veio com uma água geladinha, maravilhosa. Conversou bastante com a gente. Explicou que já estávamos bem pertinho da cidade, logo, faltava pouco para acabar a prova! A conversa e a água nos animaram. Enquanto isso, outra senhora da mesma casa já chegava com um galão... Deve estar vindo mais gente atrás de vocês... Será que vão querer água também???

Sem brincadeira, esses gestos simples me emocionam. Não existe nada mais bonito que estender a mão a quem precisa. O gesto de dar um copo d'água a um viajante é de uma bondade ímpar. São essas pequenas coisas que ainda me permitem ter fé no ser humano. Ainda temos jeito! Nem tudo está perdido.

Com ânimo renovado, consegui voltar a pedalar com força e não parei mais. Não demorou nada achamos o PC 10. Eu estava tão pilhada que passei direto. Se o fiscal não grita eu estaria pedalando até agora!

Dali foi agrestia pura! E não paramos mais. Acho que abrimos umas 550 porteiras até o PC-11. Algumas abríamos com os peitos, nem descíamos mais mais das bikes. Era preciso concluir logo, antes que o pneu do Vand murchasse de vez... O MTB-O tinha ido pro saco, mas ainda estávamos na disputa!

Quando batemos o último PC, eu não sabia, mas estávamos ainda em terceiro lugar.

Alguém atrás de nós disse que Marcinha estava em nossa cola. Pedalei o que deu e o que não deu.... Engoli os bofes que ainda insistiam em saltar para fora das entranhas. Mas, não teve jeito. Marcinha achou um atalho e logo nos alcançou. Para piorar, o último trecho era só ladeira acima...

Ainda assim, defendemos nosso quarto lugar com muita raça. Não queria nem olhar para trás. O negócio era chegar e celebrar.

A chegada foi emocionante. O portal, a buzina, o pessoal batendo palmas! Foi lindo. Competimos com gente grande! Corremos como gente grande!!! Superamos nossos limites mais uma vez.


O clima entre os competidores era de interação, cooperação e solidariedade.  As duplas iam dizendo palavras de incentivo umas para as outras a todo momento. Várias pessoas me ajudaram a passar pelas pedras, um competidor resgatou minha bandana de um pé de espinhos, outros se preocuparam quando me viram sem fôlego...

Foi uma prova muito dura, mas muito bem feitinha. Os organizadores mostraram cuidado e atenção com a gente. Deu para perceber que houve esmero e carinho na preparação da prova.

Parabéns, Luiz, Bruno Nery e demais organizadores. Parabéns a todos os competidores. Edilene, Gabi  - Obrigada pelo incentivo - Paulinho, Marcinha, Vitor, Luciana, Maurão, Edilene - vocês são referências para nós! Dividir o pódio com vocês nos deu uma enorme alegria.

Lulu - mulher polímero de altíssima densidade!! Jogou duro! É meu orgulho!!!!!!

Estamos muito felizes com nosso troféu! Olhem como ficaram lindos!!
O gostoso dessas corridas é ter a certeza de que é possível vencer nossos limites. E que isso serve para nossa vida. Venha a Peleja que vier, estamos prontos!!!






Agora...vamos arrancar o Couro do Bode!!!!


Parabéns a todos!




domingo, 6 de abril de 2014

CAMBO 2014 - Primeira etapa: Carcará

Não é muito fácil escrever sobre qualquer coisa, quando não nos saímos bem....

Por outro lado, é importante aprender com os erros. Então, decidi escrever... Para entender o que deu errado. Para melhorar, enfim. Quem sabe alguém que passou por isso possa compartilhar suas experiências também... Assim, todos aprendemos juntos.

Quanto mais coisas tento fazer simultaneamente, maior a possibilidade de falhar em alguma ou em muitas delas. Acho que gente é assim, não é? Espero que sim! Acreditar nisso me faz sentir melhor... Hoje foi um desses dias....Então, deixemos de embromação e vamos ao que me aconteceu hoje!

Não consegui terminar a primeira etapa do CAMBO 2014! E fiquei muito triste com isso!
Mas, não vou ficar também me castigando não... Foi uma prova apenas. Muitas outras virão! Bola pra frente!

Eu poderia aqui descrever um milhão de justificativas.... Ah... eu estava cansada (estava mesmo). Dormi mal (dormi mesmo). Não me alimentei direito - Eu poderia ter me planejado melhor. Tive umas duas hipoglicemias durante a prova. Precisei parar para descansar. (Reforço na alimentação está anotado! Não quero mais esse mal estar na minha vida!)

Ainda por cima, estava em uma categoria nova - Verdade! Sempre corri com os novatos (N). Essa foi minha estreia na categoria A (de gente grande...rsrsrs).

Todas as desculpas são verdadeiras, mas, o fato mesmo é que não naveguei bem...

A base de apoio foi o CTA - Centro de Treinamento Avançado das Brigadas de incêndio do Pólo Petroquímico. Um lugar muito legal! A prova foi super bem organizada. Tudo direitinho. Horário de largada. Mapa bem demarcado. Visual maravilhoso. Natureza mega exuberante.



O organizador avisou em alto e bom tom! Não rasguem mato! Sigam as trilhas. Eu, ligadíssima na técnica de azimute que acabei de aprender...Quando dei por mim estava encalacrada no meio do mato. Sem trilhas. Sem referências. Observem que o mapa está bem verde...Quanto mais escuro esse verde, mais fechada é a mata... Pois foi ali que me enfiei hoje!! Profundamente no verde. Com os dois pés! A cada desvio de rota, levava horas para achar novamente um ponto conhecido para refazer a navegação...

Tive que recomeçar um sem número de vezes, o que acabou por me atrasar bastante estourando o tempo limite da prova. Consegui apenas 13 dos 22 prismas obrigatórios. Peguei do 1 ao 14, mas perdi o 10. Na verdade, desisti, depois de percorrer o percurso onde ele deveria estar por quase duas horas.

Verdade que precisei muito de ajuda. Muitas vezes. Naveguei bem até as proximidades. Achei as referências: plantação, casa, cerca, morro, vala....Mas, dali até o ponto exato de alguns prismas precisei de ajuda.

Gostaria de agradecer publicamente as almas bondosas que me ajudaram. Nem esses 13 seriam possíveis sem vocês. Pena que não anotei nomes.... Espero poder agradecer pessoalmente na próxima etapa.

Conclusão: 

Sim, ainda não estava preparada para mudar de categoria. Por outro lado, essa mudança teria que acontecer em algum momento. Melhor agora que mais tarde... Uma pessoa não pode querer ser novata indefinidamente.

Sim, estou me sentindo péssima. É a primeira vez que sofro um time-out e isso não é divertido!

Quando Vitor foi me resgatar eu ainda estava caçando prismas. Quando o vi, logo desconfiei. Mas, ainda perguntei umas três vezes: - Você veio me resgatar? Sério? É mesmo?

Então tá.... Mas, me ajuda aí a achar o 14. Ele está aqui em algum lugar....No fundo, eu não queria desistir...

Vitor pacientemente me ajudou. Tratei logo de me justificar: - Olha, não estou perdida não...Só atrasada...Muito atrasada (e era verdade! Por mais que tivesse demorado para achar os prismas na maioria das vezes eu ao menos sabia em que parte do mapa eu estava).

Meu resgate não se preocupou em me julgar. Só disse que a organização já estava buscando o pessoal que não conseguiria terminar a tempo. E me consolou, dizendo que não era a única. Havia treze pessoas sendo procuradas.... Treze foi o número de PCs que achei....Treze pessoas perdidas.... Hum.... Talvez seja sorte....

Pois é... Que venha a segunda etapa. Vou me esforçar para fazer o meu melhor. Se meu melhor não for suficiente para terminar a prova em tempo, isso significará que ainda tenho muito que aprender. E, de boa, tenho bons mestres. Em algum momento navegar não será mais tão complicado.

Triste? Claro que sim! A prova estava superbacana! Claro que eu queria ter pego todos os prismas...

Desanimada? Nem pensar! Ansiosa para a próxima etapa! Já fiz o balanço dos meus erros e sei que poderei me sair melhor na próxima.

Como podem ver na foto abaixo, fiquei bem sujinha...Concorro a mais arranhada, enlameada e descabelada da categoria.....


Nem sempre as coisas saem como a gente gostaria, mas o bom da vida é que sempre podemos tentar de novo...Enquanto estamos vivos...

Até a próxima!