sábado, 18 de fevereiro de 2012

Virginia Wolf

Virginia Woolf

Estou lendo contos da Virginia Wooff.  Que mulher fascinante! Quanta inteligência e criatividade cabiam naquele corpo comprido e desajeitado.

Procurei saber mais sobre ela. Adivinha o que fiz? Perguntei ao Google... óbvio!! Lá achei sua biografia no wikipedia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Virginia_Woolf
"Woolf era membro do Grupo de Bloomsbury e desempenhava um papel de significância dentro da sociedade literária londrina durante o período entreguerras. Seus trabalhos mais famosos incluem os romances Mrs Dalloway (1925), Passeio ao Farol (1927) e Orlando (1928), bem como o livro-ensaio Um Quarto Só Para Si (1929), onde encontra-se a famosa citação "Uma mulher deve ter dinheiro e um quarto próprio se ela quiser escrever ficção".

No dia 28 de Março de 1941, após ter um colapso nervoso Virginia suicidou-se. Ela vestiu um casaco, encheu seus bolsos com pedras e entrou no Rio Ouse, afogando-se. Seu corpo só foi encontrado no dia 18 de abril.[1]
Em seu último bilhete para o marido, Leonardo Woolf, Virginia escreveu:
Cquote1.svg
Querido,Tenho certeza de estar ficando louca novamente. Sinto que não conseguiremos passar por novos tempos difíceis. E não quero revivê-los. Começo a escutar vozes e não consigo me concentrar. Portanto, estou fazendo o que me parece ser o melhor a se fazer. Você me deu muitas possibilidades de ser feliz. Você esteve presente como nenhum outro. Não creio que duas pessoas possam ser felizes convivendo com esta doença terrível. Não posso mais lutar. Sei que estarei tirando um peso de suas costas, pois, sem mim, você poderá trabalhar. E você vai, eu sei. Você vê, não consigo sequer escrever. Nem ler. Enfim, o que quero dizer é que é a você que eu devo toda minha felicidade. Você foi bom para mim, como ninguém poderia ter sido. Eu queria dizer isto - todos sabem. Se alguém pudesse me salvar, este alguém seria você. Tudo se foi para mim mas o que ficará é a certeza da sua bondade, sem igual. Não posso atrapalhar sua vida. Não mais. Não acredito que duas pessoas poderiam ter sido tão felizes quanto nós fomos.V.
Cquote2.svg
Encontra-se sepultada em Non-CemeterySussex na Inglaterra.[2]


Não posso me dizer uma grande entendida de Virgínia, pois li apenas 3 dos seus deliciosos contos. Contudo, já pude perceber o quão bem ela descreve o universo feminino. Como ela de alguma forma fala de si mesma sem ser autobiográfica. Ela se desnuda aos poucos, e em fragmentos, a cada conto. A cada personagem.

Faz-nos pensar sobre o que é ser mulher. Seja a dócil dona de casa, seja a atrevida profissional liberal. Ou sejam ambas... Afinal, é o que quase todas nós somos hoje em dia.... Entre a artista e a esposa... E todos os senões e percalços que as separam. Como era difícil ser Virgínia W. naqueles tempos! Como ela devia sofrer por tentar ser 100% ambas.. Mulher-esposa x Artista-mulher!

 Adorei "O diário de mistress Joan Martyn". Como ela narrou a rotina de uma jovem solteira do século XV. Era quase possível ver os personagens dançando pela minha sala, assim como apareciam as figuras do Rei Artur para miss Joan quando o cantador narrava as lendas daquele tempo.

Ela esteve aqui e tomou chá comigo. Conversamos longamente sobre a vida no Solar dos Martyn. Pude compreender aquele universo simples. Nada de príncipes e princesas. A realidade fria e dura de pessoas comuns. A energia das mulheres. As verdadeiras líderes do Lar, mesmo que à sombra de maridos quase sempre ausentes.

Fiquei surpresa também em perceber como ela antecipa seu próprio suicídio no conto "O misterioso caso de miss V", escrito mais de 30 anos antes da sua morte. Que mulher fantástica! Tinha energia demais e acabou sendo consumida por si mesma... Terá sido um caso de Burnout em escritora? Humm... Isso acaba de me ocorrer.... É possível.

Vou continuar lendo. Mais tarde conto mais contos para vocês.

3 comentários:

  1. Você também achou que Miss V era a própria Virgínia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não tive dúvidas, Renato!
      Normalmente os suicidas mandam vários sinais bem antes de cometerem o ato. Infelizmente, na maioria das vezes esses sinais só parecem óbvios quando já é tarde demais.
      Obrigada pela leitura e pelo comentário.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Aceita um café? Adoraria que você participasse da conversa. Expresse aqui sua opinião.