quinta-feira, 20 de março de 2014

A Noite do Perrengue....2

-Que tipo de pessoa, em sã consciência se inscreve espontaneamente em um evento chamado "Noite do Perrengue"???? Só o nome, já assusta!

(Pergunta inocente de uma amiga, referindo-se a uma terceira pessoa que ela conhece e que se inscreveu....)

Respondi com uma sonora gargalhada, daquelas de contrair a barriga... - Amiga... Eu me inscrevi!!! 

Você é doida????? 

Bem..... depende! O que é doidice? O que é "sã" consciência?? Definitivamente, meu conceito de sanidade não é convencional! Loucura para mim é ficar presa no sofá assistindo programas de TV!

Em dias normais, somos pessoas normais. Acordamos cedo. Trabalhamos duro. Pagamos contas. Cuidamos da família. A noite e nos fins de semana, vestimos nossa identidade secreta:
Penélope do Agreste e Barão Vermelho.

Dois Aventureiros do Agreste, loucos por aventura!! Amantes do mato, da lama e da poeira...

Não estamos sozinhos...Existem muitos outros loucos como nós...Soube que eram 60 duplas inscritas na Noite do Perrengue 2 - Segunda edição da prova noturna que já faz parte do calendário baiano de Corridas de Aventura.


A ansiedade era tanta que até sonhei com a prova...Aliás, sempre sonho em véspera de competição. Os sonhos são relacionados a mapas. Ou são perdidos, ou estão ilegíveis, ou estão perfeitos, mas não conseguimos nos localizar, ou estão errados... Dessa vez, sonhei que Diana da Gantuá é quem entregava os mapas, mas além de muito pequenos, estavam borrados por causa da chuva... Mas, ela oferecia uma alternativa!! Poderíamos comprar um super mapa pela bagatela de R$ 800,00!!!! Pense!

Pesadelos a parte, no dia combinado, penduramos as bikes no carro e rumamos para Sauípe. Chegamos umas 19:30. Já tinha bastante gente lá. Quando o fiscal de prova nos viu, reconheceu de cara: Penélope, né??? Ai, gente! Que orgulho! Não sei se foi a tiara rosa ou os cabelos esvoaçados, mas o que importa é que ele reconheceu a gente!! Sim! Penélope e Barão! Prontos para o Perrengue!

Fiz até as unhas de rosa para evento!! Claro que voltaram destruídas!!!As unhas, as canelas e as panturrilhas....

Abro um parêntesis para falar das Penélopes. Equipe de corrida de aventura exclusivamente feminina, tem como fundadoras: Lulu Freitas, Gabi, Tati e Sara...Essas meninas já correm há muitos anos e são verdadeiras feras. 

Entrei no grupo bem depois, a convite da Lulu e tenho muito orgulho da minha blusinha rosa, que já virou minha segunda pele. Para conhecer mais sobre nós, visitem o blog da Lulu:Penélope do Agreste.

Deixadas as bikes, fizemos o check-in e fomos para o local do briefing. Encontramos muitos velhos amigos e muitas carinhas novas. Boa parte trazida por Tadeu - que está ficando especialista em introduzir novatos no esporte de aventura. Lindo o que você está fazendo, Tadeu!

O briefing foi no clube do "Quintas Private Residence", mesmo local da edição anterior. Enquanto esperávamos, ficamos esparramados em confortáveis sofás. Uns tirando um cochilo, outros conferindo e reconferindo os equipamentos.... Eu, que já tinha tentado dormir e conferido minha mochila 235 vezes, resolvi devorar os lanchinhos da Tia Sônia que estavam no kit para controlar a ansiedade... A propósito.. gostei muito da granolinha de tapioca. Uma delícia.

Um pouco antes do briefing rolou uma pancadinha de chuva lá pelas 8 da noite. A galera toda gritando alvoroçada. Eu com frio na barriga...Ai, que meu mapa vai virar mingau!!!! Na verdade, aquilo foi apenas um prelúdio do que estava por vir...

Gaia, como sempre, tocando o terror! - Novatos! NÃO PEGUEM OS PC's PERRENGUE!!! São muito difíceis... Vocês vão se perder... blá-blá-blá.... Ele se referia ao PC-2 do Trekking e ao PC-9, do trecho de mountain bike.

Dava medo mesmo....Até chegamos a pensar em.... Que nada, vamos pegar a porra toda! Vamos comer esses PCs com farinha!!

O mapa estava bem feitinho e não estava borrado!! Bons augúrios!!! Tinha bastante espaço para colocar anotações, boa escala, referências que pareciam claras e suficientes... Sem curva de nível.... Hein???? Como assim, sem curvas de nível??? Gaia deu uma explicação lá que não me lembro....Deixei pra lá...Quem precisa de curvas de nível?? Aqui é a Bahia, não Minas Gerais! Vamos em frente!

Briefing feito, mapa e passaporte anotados e encapados. Race book praticamente decorado. Água, lanches, tudo certo!

Vamos correr! Rolou uma largada de mentirinha na saída do condomínio Quintas Private Residence e ainda caminhamos por 2km até a largada real. Foi ótimo, porque deu para aquecer a musculatura. Até então, o tempo estava ótimo. Calor, sem chuva e com a Lua de vez em quando ameaçando sair de detrás das nuvens.

Passado o Portal, exatamente as 0:18, começou nosso Perrengue!

De cara, quase 3 km de trekking na areia fofa. Dureza! As panturrilhas toda hora lembrando que estavam ali. As vezes elas falavam com a gente...As vezes gritavam....Ignorando a dor, tratamos logo de pegar o PC 1 sem muita dificuldade na navegação. Auto-confiança em alta, seguimos para o PC 2  - o Perrengue do trekking. Será que seria esse terror todo que Gaia falou????

Com alguma dificuldade, porque não dominamos bem a técnica do azimute e contando com a intuição do Barão navegador, acabamos por achar um caminho no meio do mangue. Atravessamos com água pelos joelhos. Essa passagem secreta dava em um paraíso de dunas com um milhão de moitas....mas, a gente só precisava de uma...

Sentimos grossos pingos de chuva começando a cair... Ao comando de Vand tratei de pegar logo nossos anorak's improvisados... Duas sacolas de lixo com um furo para a cabeça e mais dois furos, um para cada braço. Ajudou a manter o peito e o racebook razoavelmente secos. Salvou nossa vida! Só espero não ter saído em nenhuma foto vestida assim! Não fiquei nada gatinha...kkkkkk.

A chuva aliviou rápido e nos permitiu dar uma boa rastreada no terreno. Encontramos várias duplas por ali, espalhadas procurando o mesmo que nós. Alguém gritou uma dica no meio das dunas e saiu correndo: Oh!! Tá lá embaixo...... nem sei quem foi, nem vi pra que lado ele apontou e nem deu tempo de agradecer a gentileza... Procura daqui e dali, finalmente achamos o tenebroso PC Perrengue numa moitinha a toa no meio do nada!

Empolgados, fomos atrás do PC 3, que ficava em uma cabana. Eu tinha marcado a distância no mapa direitinho e por isso, nem foi tão difícil. O problema é que tinha uma barraquinha um pouco antes com uma placa vermelha na frente...Quase nos confundiu! Uma lida rápida no racebook e logo vimos que não era ali. Mais a frente um pouco achamos o tal balão avermelhado no teto e o nome do dono da cabana, que a propósito se chamava CHICO!

As panturrilhas do Vand começaram a berrar com ele. Esse foi um momento difícil. Não estávamos nem na terça parte e já parecia que íamos quebrar. Nossa estratégia era pegar o PC 6 e depois voltar para o 4, já que o quinto PC estava cancelado. Na hora H, acabamos por mudar de ideia. Fomos atacar o PC 4. Porém, essa parte do mapa estava com pouquíssimas referências. Não havia trilhas claras e o PC poderia estar em qualquer lugar entre o Japão e o Chile! Frustrados e com uns 40 minutos perdidos, fomos para o PC 6. Este era fácil, pois ficava em uma ponte que já conhecíamos de passeios anteriores por Diogo.

Ainda queria ir perseguir o PC 4, mas acabamos decidindo ir logo para a transição, para não perder mais tempo. Sabendo que isso iria impactar no resultado da prova, foi um momento um pouco frustrante. Porém, foi necessário pois poderia comprometer o resto da prova. O cansaço ameaçava bater forte e ainda enfrentaríamos um longo trecho de bike.

Na transição, depois de me esbaldar no guaramix e registrar nossa chegada,  percebi que havia perdido a luva esquerda, provavelmente no PC-6. Tirei para escrever e não sei por que, coloquei uma e esqueci da outra. Se alguém por acaso achou uma luvinha esquerda vermelha, é minha!

E agora? Pedalar sem luva é ruim! Logo eu, tão preventiva...Sem EPI!!!! Resolvi parar de mimimi e seguir em frente, afinal, não ia chover luva mesmo....

Calcei a luva da mão direita. Ao menos uma das mãos estaria protegida. Para a outra mão, improvisei uma luva com a sacola de lixo que fez as vezes de anorak....

E por falar em chuva... Ela chegou de novo! No caminho para o PC 8. ÔH PC DIFÍCIL DA PESTE!!!! Veste o "anorak" de novo... navega....e pedala!

Sobe ladeira, desce ladeira, pedala, derrapa, empurra bike... Sobe de novo...sobe, sobe!! Eu xinguei Gaia e todas as suas curvas de nível até a décima geração!!!!!! Quem foi mesmo que disse que Minas Gerais não é aqui???

Tinha muita gente perdida por ali, o que significava que não estávamos tão perdidos assim. Vand achou a trilha certa de primeira, com seu faro de navegador intuitivo. Ela começava bem do lado de uma casinha. Porém, ele não acreditou que era ali e acabamos pegando a trilha errada. Nessa hora o bicho pegou. Me bateu o cansaço todo do mundo e eu não conseguia nem raciocinar. Estava quase desabando....

Voltamos para o ponto de origem e chegamos a pensar que havíamos perdido o mapa... Fiquei com as bikes na boca da trilha enquanto Vand voltava para procurar... em vão....

Enquanto ele subia eu rezava. Pedia ajuda a Deus. Afinal, estávamos ali para nos divertir, mas naquele momento estava tudo muito difícil. Cansaço, fome e agora, o mapa que some! Quase um dos meus pesadelo se tornando real...

Mal acabei de rezar, começaram a aparecer alguns amigos. Lulu e Vitor, Marcelo e Claudio. Perguntaram por Vand e pelas trilhas. Disse que já tínhamos tentado a da casinha e a da ladeira, mas que não havíamos achado o caminho ainda.

Vand desceu decepcionado. Não achou o mapa!

Levantei para confortá-lo e....descobri que o mapa estava preso à minha cintura! Putz!!! Como foi parar ali???????? Acho que me deu para passar as bikes por uma cerca e nem ele nem eu lembrávamos do episódio! Cérebro em franco curto-circuito! Cansaço batendo com força!

Ninguém ficou zangado. Até porque estávamos cansados demais pra isso! Demo-nos um longo abraço e decidimos que a prova ia continuar. Afinal, já tínhamos o mapa. A disposição voltou e decidimos seguir a intuição do navegador. Entramos na trilha da casinha....E estava certo! Era por ali mesmo.

Corridas de Aventura nos ensinam a viver. Quantas vezes nossa intuição nos aponta um caminho e teimamos em seguir em outra direção? Quantas vezes olhamos para trás só para descobrir que nossa intuição estava certa???

Decidimos continuar subindo aquela ladeira que não acabava nunca! Lá em cima achamos Lulu navegando enquanto falava...ou falando enquanto navegava, sei lá.....Ela perguntava e ela mesma respondia...É bem engraçado topar com Lulu em corrida... Figuraça!

Entre uma indagação e outra consegui dizer: Lulu! Só confirma pra gente em que ponto do mapa nós estamos. Daí a gente navega. (Atenção iniciantes! Pedir dicas faz parte do jogo, mas, não é elegante ficar seguindo navegadores experientes. Além de você não aprender a navegar, tira toda a graça da brincadeira. O negócio é se perder e se achar por seus próprios méritos!)

Ela docemente falou enquanto pedalava, navegava e conversava com o Vitor. Tudo ao mesmo tempo. Oh, Lu....Oh, Lu!!! Tá ouvindo??? Oh!! Só pra você saber, o PC-9 fica láaaaa em cima.... e o PC 8 fica láaaaaa embaixo!

E sumiram...os dois...ladeira abaixo....

Ficamos por conta da nossa navegação. Conferindo o mapa, achamos logo o PC 9!! Mais um PC Perrengue!! Mais um PC difícil pra caramba! UHUUUUU!!!! Agora tá fácil... Vamos descer e achar o PC-8.....Vai ser moleza!!! Ou não...

Gaia, acho que você se enganou. O verdadeiro PC Perrengue não era o 9. Era o 8!!!!!!!

Procura, procura, procura, procura....e nada! Acabamos achando Marcelo. Outro ser iluminado que só aparece nos momentos mais críticos da minha vida de aventura... e não são poucos esses momentos!

- Lu, você achou o PC 8?
- Não, Marcelo, ainda estamos procurando. Parece que a trilha é esta, mas não temos certeza.
- Lu, Você bateu o azimute?
Eu queria responder que sim! Sim, Marcelo, bati com o azimute no mapa. Dei com a bússola nele até o Norte confessar que era Noroeste....mas, não adiantou, o PC 8 não aparece de jeito nenhum!

Devo confessar que encontrar o Marcelo naquele ponto da trilha nos ajudou muito. O PC 8 estava difícil, mesmo para navegadores experientes. Conseguimos encontrar, mas só depois de muito perrengue e muito rasga-mato!

Nossa saga continuou. Agora em busca do décimo PC. Seguimos juntos. Vand e eu, Marcelo e Claudio.  Conversamos sobre os PCs, sobre a chuva e o aguaceiro caindo, cada vez mais forte... Eu já não enxergava nada. A gente pedalava um pouquinho e empurrava um montão...A água com correnteza ameaçava nos levar de volta para a largada. Seguimos em frente enfrentando muita chuva, muita lama... Derrapando, escorregando, arrastando a bike ou sendo arrastados por ela.

Como estava muito ruim para pedalar, acabamos nos afastando de Marcelo e Claudio. Em um segundo vi suas lanterninhas traseiras, no segundo seguinte, não estavam mais lá. De novo, estávamos só nós... um mapa e uma bússola...

Decidimos seguir a trilha, para ver onde ia dar, confirmando de vez em quando no mapa. Certeza absoluta, não tínhamos, mas nosso faro indicava que o caminho era aquele mesmo...Nem pensar em duvidar da intuição agora!!!

Depois de muito pedalar, demos de cara com uma porteira.....e um PC!!! Era o PC 10!!! Que alegria!!! Meu cansaço foi até embora. Fiquei tão feliz!!! Oba! Vamos conseguir terminar a prova!!!

Eu já sabia que íamos tomar corte, afinal, já era quase de manhã, mas concluir uma prova é questão de honra para qualquer aventureiro. Desistir não existe em nosso dicionário. Continuamos navegando. Achamos o PC 11 sem dificuldade. Era um PC com fiscal e tinha até um refrigerante geladinho pra gente... Nem gosto de refrigerante, mas aquele caiu tão bem....

O PC 12 deu um pouquinho de trabalho, pois em nossas contas ele estaria um pouco antes de onde estava de fato. Mas, achamos! Daí para o PC 13 foi só pedalar. Subir ladeira, descer ladeira... Algumas ladeiras bem técnicas. Uma delícia!

Eu estava conformada, pois achava que seríamos os últimos a chegar. Não víamos viva alma! O que nos consolavam eram as marcas de bike na areia, mostrando que outros aventureiros passaram por ali. Pensei: Já é dia claro! Todo mundo já chegou e já tomou café da manhã....

Que nada! Daqui a pouco começou a brotar bike de todo lado. O povo perguntando...PC 13 é por aí?? É por ali?? Todo mundo perdido!!! Achamos Eudes e Maurício. Procuramos juntos por um bom tempo, até que um habitante da região resolveu dar a dica... Não acharam não??? A entrada da trilha é mais pra lá um pouquinho....Dica certa e bem vinda!

Batido o PC-viveiro, não poderíamos perseguir o PC 14, porque tomamos o corte. Tínhamos que seguir direto para o 15. Com sorte, ainda poderíamos pegar o remo... Infelizmente, perdemos um tempinho num areal infinito. Quase 1 km de areia fofa. Pense em pedalar em uma montanha de farinha!! Pois, era pior! Teve que rolar um empurra bike que parecia interminável....
Quando achei que não poderia piorar, nos deparamos com vários blocos de concreto literalmente bloqueando tudo. E dois caminhões de areia por trás do bloqueio, só para deixar bem claro para os passantes: Atenção, Perrengueiros, sua trilha acaba aqui! Parecia pegadinha....

Antes de me desesperar, olhei um pouquinho adiante e avistei o estradão por trás da pilha de areia!!! EBAH!!!!! O ESTRADÃO!!! É AQUI!! É AQUI! Uhuuuuuuuuuuuuuuu!!!

Batemos o PC 15 e recebemos a triste notícia...Vocês pegaram o segundo corte...Não vão remar....Pôxa....O visual estava tão bonito...Eu queria tanto remar....Que pena....

Ok, Ok...Vamos em frente... Não temos tempo para lamentações!! Ainda não acabou a prova! Falta a chegada!  Bora pedalar!!!

Aí foi só estradão....Que gostoso. Manhã fresquinha, paisagens belíssimas. Muito agradável. Que prova difícil! Que orgulho de ter chegado até aqui! Era só o que eu pensava, inebriada pela paisagem.

Quando passei pelo pórtico e vi aquele montão de gente fazendo festa, fiquei tão contente que chorei! Chorei que nem conseguia falar direito. Conseguimos! Vencemos o cansaço, a dor, as dificuldades de navegação. Superamos todos os nossos limites! Concluímos a segunda Noite do Perrengue! Chegamos juntos. Suados, sujos, enlameados...felizes! Navegamos, erramos, acertamos, negociamos, crescemos, aprendemos e principalmente: Nos divertimos muito! Ainda rolou beijinho na chegada para não deixar dúvidas....Foi tudo com amor!


Mais de oito horas de corrida. Muito suor, muita areia, muita lama, muita chuva e muita mutuca!!! Muita navegação, belíssimas trilhas, lindas pessoas, excelente organização....Muito Perrengue.

Banho no chuveirão pra tirar os 5 kg de barro do corpo e um café quentinho...Um pãozinho com queijo. Frutas, suco...Tudo uma delícia.

Arnaldo, Glaucia, Claudia - obrigada pelo carinho na nossa chegada. Foi muito emocionante ver vocês recebendo a gente.

Parabéns, mais uma vez, Arnaldo e Gaia pela prova. Foi maravilhosa. Bastante difícil, desafiadora, com todos os elementos de uma boa corrida. Ladeira, areia, mangue, pau, pedra, toco, caminho....Para todos os gostos.

Um abraço a todos os amigos que passaram perrengues com a gente: Lulu, Vitor, Marcelo, Claudio, Eudes, Maurício. Mauroba, Mauro, Edilene, Diana, Tadeu, Marcinha, Paulinho.. e tantos outros...

Obrigada a todos e muitos parabéns para todos nós...

Como em toda prova, aprendi muito.
  • Aprendi a acreditar na Intuição 
  • Aprendi que o segredo da navegação (e da vida) está escondido nos detalhes.
  • Aprendi que é preciso ter fé  - Rezar faz bem e melhora o estado de ânimo.
  • Aprendi que preciso aprender a bater azimute!! 
Que venha o CICA! Estaremos lá! na PELEJA!!!